Segunda-feira, 12 de Novembro de 2018

Buscar  
Saúde

Publicada em 06/11/18 às 20:32h - 4 visualizações
Governo discute barrar acesso a benefício por gestante e idoso sem vacinação

RCI FM 98


 (Foto: RCI FM 98)

A menos de dois meses do fim da gestão Michel Temer (MDB), o governo federal discute editar uma portaria que amplia a exigência de comprovante de vacinação para que gestantes, idosos e outros grupos possam receber benefícios em programas sociais.

A medida ocorre em meio à queda nos índices de cobertura vacinal no país.

Hoje, a manutenção da carteirinha de vacinação atualizada das crianças de até sete anos é uma das exigências para que beneficiários do Bolsa Família possam receber os valores de auxílio previstos no programa, ofertados para famílias em situação de pobreza e extrema pobreza.

Agora, a proposta é estender esse mesmo acompanhamento da situação vacinal para outras faixas etárias, como adolescentes, gestantes e idosos, e incluir outros programas sociais. Entre as possibilidades, estão o seguro-defeso, voltado a pescadores, e o BPC (benefício de prestação continuada), no caso de idosos de baixa renda, entre outros.

A estratégia, defendida pelo ministro da Saúde, Gilberto Occhi, foi apresentada ao ministro de Desenvolvimento Social no último mês.

Titular da pasta, o ministro Alberto Beltrame disse à Folha ser favorável à medida, mas que aguarda informações da área técnica para saber o status da discussão.

Segundo Occhi, a ideia é que a exigência possa valer para as vacinas ofertadas no calendário nacional de imunizações e em campanhas específicas, como a da gripe.

“Para receber o benefício do governo, tem que cumprir a política de imunização do governo. Neste caso, só vai receber se comprovar que tomou as vacinas”, sugere.

Dados do Bolsa Família mostram que  98% das crianças de até sete anos acompanhadas no programa primeiro semestre deste ano estavam com a vacinação em dia.

Pelas regras, famílias de crianças com vacinas em atraso recebem uma advertência. Caso a situação não seja regularizada em até seis meses, o programa prevê outras medidas, como bloqueio, suspensão e, por último, o cancelamento do benefício.

Para Occhi, a ampliação da exigência para um público maior pode ajudar a elevar os índices de vacinação.

Além das crianças, a avaliação do governo é que os índices de vacinação de adolescentes (especialmente contra o HPV) e de gestantes também têm ficado abaixo do esperado. A situação, porém, melhora em relação aos idosos, público que costuma ser um dos primeiros a atingir a meta nas campanhas contra a gripe.

“Quando falamos de Bolsa Família, temos crianças, mulheres grávidas, temos idosos. Mas cobra [a vacina] só da criança. Precisamos ter a família inteira”, afirma o ministro.




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Player Pop Up



(83) 9.8793-3341

Hora Certa

No Ar
Avoz Do Brasil
Promoçoes 98,5

Nenhum registro encontrado.



Enquete
VOCÊ ACREDITA NO GOVERNO BOLSONARO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS

 SIM
 NÃO

Publicidade Lateral
Clima Tempo
Estatísticas
Visitas: 273887 Usuários Online: 39


Publicidade
Parceiros



RCI FM 98,5
Copyright (c) 2018 - RCI FM 98 - Todos os direitos reservados