Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2018

Buscar  
Política

Publicada em 13/03/18 às 20:43h - 71 visualizações
"Estou pronto para ser preso", diz Lula em entrevista para livro

RCI FM 98


 (Foto: RCI FM 98)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou estar "pronto para ser preso" em entrevista para o livro "A verdade vencerá: o povo sabe por que me condenam", que será lançado nesta sexta-feira (16) em São Paulo pela editora Boitempo.

"Eles vão tomar a decisão, eu estou pronto para ser preso. É uma decisão deles", disse Lula em entrevista ao quarteto formado pelos jornalistas Juca Kfouri, colunista do UOL, e Maria Inês Nassif; pela fundadora e diretora da editora Boitempo, Ivana Jinkins; e pelo professor de relações internacionais da UFABC (Universidade Federal do ABC) Gilberto Maringoni, que foi candidato a governador de São Paulo pelo PSOL em 2014.

Lula deu tal declaração quando questionado por Kfouri se estava cogitando a possibilidade de ser preso. O ex-presidente respondeu que sim.

"Estou. O que não estou preparado é para a resistência armada, nem tenho mais idade. Como sou um democrata, nem aprender a atirar eu aprendi. Então, isso tá fora", disse o petista.

Mais adiante na resposta, Lula diz: "Eu não vou sair do Brasil, eu não vou me esconder em embaixada, eu não vou fugir. A palavra 'fugir' não existe no meu dicionário. Vou estar na minha casa, chegando entre oito e nove horas da noite, indo dormir às dez horas, acordando às cinco da manhã para fazer ginástica. Há duas instâncias superiores a que a gente pode recorrer [STJ e STF], e vamos recorrer."

Sem citar nomes, o ex-presidente afirma na entrevista que "esses caras sabem que o que estão fazendo" com ele "é uma sacanagem política". "Eu digo para meus advogados todos os dias: 'Quero que vocês saibam que estão defendendo um inocente'."

Condenado em segunda instância no chamado processo do tríplex, da Operação Lava Jato, Lula pode ter sua prisão ordenada depois do julgamento dos recursos no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre), o que ainda não tem data para acontecer. 

"Não me pegarão por corrupção"

Segundo o MPF (Ministério Público Federal), Lula recebeu R$ 2,2 milhões em propina da construtora OAS na forma de um tríplex no Guarujá (SP) e das reformas feitas no imóvel. O dinheiro teria origem no esquema de corrupção da Petrobras desvendado pela Lava Jato e que, para o MPF, era comandado pelo ex-presidente. A defesa de Lula afirma que não há provas dos crimes imputados ao ex-presidente. 

Em dado momento da entrevista, ao ser informado de que o tríplex havia sido avaliado pela Justiça em R$ 2,2 milhões, Lula responde: "Ora, manda o [juiz Sergio] Moro comprar por 2 milhões de reais! Acho que eles fazem tudo isso porque pensam: 'É isso que toca na alma nas pessoas'. Eu vou enfrentar. Eles não me pegarão por corrupção."

Na mesma resposta, Lula ironiza e demonstra irritação com a acusação de que teria comandado um esquema de corrupção. 

"Se sou o chefe de uma quadrilha, como eles falaram, por que é que os meus 'assaltantes' roubaram tanto, 100, 200 milhões de reais, e este babaca aqui ficou com um apartamento de cento e poucos metros quadrados pra ele? Que chefe de merda é esse? Eu fico nervoso por isso, fico profundamente irritado com isso."

"Não vou morrer com a pecha de ladrão"

Lula também falou aos entrevistadores sobre a possibilidade de não ser candidato a presidente nas eleições deste ano e afirmou que não se dará por satisfeito se conseguir não ser preso, mas for impedido de disputar nas urnas.

"Muita gente diz: 'Ah, Lula, se só tirarem você da disputa e não te prenderem, está bom.' Está bom nada, porque pra mim é uma questão de orgulho e honra pessoal, de comportamento de vida. Eles mexeram com quem não deveriam mexer. Eu não sou maior do que a lei, mas eles mexeram com quem não deveriam mexer, e eu não vou morrer com a pecha de ladrão."

Líder nas pesquisas de intenção de voto, o petista está, em tese, inelegível de acordo com os critérios da Lei da Ficha Limpa, mas a legalidade da candidatura depende de um julgamento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O livro com a íntegra da entrevista, feita ao longo de três encontros em fevereiro, será lançado em evento com a presença de Lula no Sindicato dos Químicos de São Paulo, às 18h de sexta-feira (16).

Ao longo da conversa, Lula fala sobre os processos que enfrenta na Justiça, trata do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), lembra de como queria que Eduardo Campos (PSB) --que morreu em 2014-- fosse o candidato apoiado pelo PT em 2018 e aborda outros temas da política brasileira.

Além da entrevista com o ex-presidente, que ocupa 124 das 216 páginas da publicação, o livro conta com textos do escritor Luis Fernando Verissimo; de Luis Felipe Miguel, professor de ciência política da UnB (Universidade de Brasília); do jornalista e tradutor Eric Nepomuceno; do advogado Rafael Valim; e do jornalista Camilo Vannuchi, que prepara uma biografia sobre a ex-primeira-dama Marisa Letícia, morta no ano passado.




Player Pop Up



(83) 9.8793-3341

Hora Certa

No Ar
CLUBE DO AMOR
Promoçoes 98,5
Enquete
VOCÊ ACREDITA NO GOVERNO BOLSONARO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS

 SIM
 NÃO

Publicidade Lateral
Clima Tempo
Estatísticas
Visitas: 301842 Usuários Online: 32


Publicidade
Parceiros



RCI FM 98,5
Copyright (c) 2018 - RCI FM 98 - Todos os direitos reservados