Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019

Buscar  
Política

Publicada em 03/01/19 às 20:40h - 14 visualizações
Bolsonaro quer aposentadoria aos 62 anos para homem e 57 para mulher

RCI FM 98


 (Foto: RCI FM 98)

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), revelou nesta quinta-feira (3/1) – na sua primeira entrevista após a posse, ao telejornal SBT Brasil –, que deverá realmente aproveitar o projeto da reforma da Previdência levado pelo ex-presidente Michel temer à Câmara dos Deputados. A princípio, a proposta de aposentadoria seria de 62 anos como idade mínima para os homens e 57 para as mulheres.

“A oposição vai usar os 65 anos para dizer que nós queremos fazer [a reforma] na maldade. Não queremos”, disse. Segundo Bolsonaro, também será levado em conta a expectativa de vida e peculiaridade de algumas profissões para se definir o tempo de contribuição dos brasileiros.

Questionado sobre a declaração de seu ministro da Economia, Paulo Guedes, durante a posse nessa quarta-feira (2), de que o governo vai abandonar “a legislação fascista da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho)”, Bolsonaro admitiu que sua gestão pode extinguir a Justiça Trabalhista.

“Qual o país do mundo tem Justiça do Trabalho? Tem que ser Justiça Comum. Temos mais ações trabalhistas que o mundo todo junto. É uma proteção exacerbada”, destacou. “Se houver clima [político], podemos levar isso [extinção] à frente”, acrescentou.

O presidente também disse ser sua intenção aprofundar a reforma trabalhista, “sem tirar direito de ninguém”. “Empregado ganha pouco, mas a mão de obra é cara. É pouco pra quem recebe e muito pra quem paga, tem que mudar isso aí”, comentou. Ele repetiu e adaptou ainda uma das frases mais usadas quando disputava a corrida presidencial. “Eu dizia que é difícil ser patrão no Brasil. Mais difícil é estar desempregado no Brasil”, brincou.

Armas e violência
Para o presidente da República, a questão da posse de arma no país é um “grande problema do Estatuto do Desarmamento”. “Estamos definindo qual é a efetiva necessidade para se ter porte de arma. Estou discutindo com o [o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio] Moro o decreto. Homem do campo vai ter direito [ao porte] também. Proponho duas armas para a pessoa e quatro para policiais”, detalhou.

O presidente exemplificou medidas adotadas no fim do governo Michel Temer que poderão ser revistas. Ele afirmou que as regras para concessão de incentivos culturais, via Lei Rouanet, serão reavaliadas. Também citou medidas referentes à proteção de indígenas e um convênio firmado pelo Ministério do Turismo, a R$ 3 milhões, para contratar consultoria sobre estímulos ao turismo no país. Segundo o presidente, um convênio ineficaz, que poderia ser evitado a partir de uma “consulta no Google”.

Socialismo, 2ª instância e Parlamento
Questionado sobre a frase dita durante sua posse, de que vai livrar o Brasil do socialismo, o presidente reconheceu que não há tal doutrina política no país.

“Nunca teve socialismo graças às Forças Armadas”, disse. “[Leonel] Brizola pregava abertamente, antes de março de 64, por uma nova constituinte, manipulando pessoas humildes. O que sairia dessa Constituição? Muita gente queria regime semelhante ao de Cuba ou ao da Venezuela. O próprio Lula dizia que podia faltar qualquer coisa na Venezuela, menos democracia. É isso o que a gente quer? Essas questões acontecem devagar, não de uma hora para outra”, comentou.

A questão da prisão após segunda instância também foi abordada. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, já afirmou ser favorável à prisão imediata de condenados pela Justiça logo após sentença pelos tribunais de segunda instância.

Sobre a eleição para a presidência da Câmara, onde a bancada do PSL já anunciou que vai apoiar a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ), Bolsonaro garantiu que não pretende interferir. “Não vou me meter nisso. Quero que o partido que ganha coloque nossas pautas em votação”, observou. Mas adiantou que não irá procurar a oposição, como o PT, PSol e PCdoB. “Sabemos como a oposição se comporta no Brasil. PT e outros não têm como dialogar conosco. Conheço cada parlamentar que tem lá e o PT e o PSol são radicais. Queremos dialogar com quem quer dialogar”, encerrou.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário
Player Pop Up



(83) 9.8793-3341

Hora Certa

No Ar
PROG GILCOSTA EM AÇÃO com Gil Costa
Enquete
VOCÊ ACREDITA NO GOVERNO BOLSONARO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS

 SIM
 NÃO

Publicidade Lateral
Clima Tempo
Estatísticas
Visitas: 331171 Usuários Online: 128


Publicidade
Parceiros



RCI FM 98,5
Copyright (c) 2019 - RCI FM 98 - Todos os direitos reservados