Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

Buscar  
VIOLÊNCIA

Publicada em 07/10/17 as 15:16h - 16 visualizações
Lutando contra as labaredas: quem é a professora que morreu ao salvar crianças em creche de MG

RCI FM 98


 (Foto: RCI FM 98)

O luto que vive a cidade de Janaúba (MG) pela tragédia ocorrida na quinta-feira (5) numa creche municipal, em que 7 das 9 vítimas fatais foram crianças, encontra amparo no exemplo deixado por uma das vítimas, a professora Heley de Abreu Silva Batista, 43.

Dedicada ao que fazia, a pedagoga estava sempre preocupada em promover novas formas de ensino para que os alunos tivessem melhor desempenho no aprendizado.

Uma das principais bandeiras de Heley era a inclusão de alunos com algum tipo de deficiência, área em que se especializou em 2016. "Era uma aluna preocupada com os rumos da educação, discutia métodos, queria maior interação, fruto do amor que tinha pela sala de aula e seus alunos", disse a pedagoga Tania Maria Silva, professora de Heley no curso de pós-graduação em Educação Especial Inclusiva.

No Centro de Educação Municipal Gente Inocente, a creche onde ocorreu o incêndio, Heley lecionava desde 2016, quando ingressou por concurso nos quadros da Prefeitura de Janaúba, cidade de 71 mil habitantes no norte de Minas Gerais. Segundo a prefeitura, "vinha realizando um ótimo trabalho, aliando a diversão ao aprendizado".

Para a Semana da Criança, cujo ápice das comemorações seria nesta sexta-feira, tinha preparado uma série de atividades na creche. No momento do incêndio, por exemplo, tentava mostrar às crianças a magia do cinema, com pipoca e doces.

Os amigos falam em atitude heroica. Heley morreu salvando as crianças das labaredas, colocando algumas por cima da janela.

Cortejo fúnebre acompanha o enterro do corpo da professora Heley de Abreu Silva Batista no cemitério Campo da Paz

Seu corpo foi encontrado ao lado do algoz, o vigia noturno da creche Damião Soares Santos, um homem solitário de 50 anos que nunca casou nem teve filhos, e que durante o dia vendia picolés feitos por ele próprio para completar a renda.

Por isso na casa dele tinha tantos galões de álcool, usado para acelerar o congelamento dos picolés. A polícia diz ainda não ter certeza se ele usou álcool ou outro produto para pôr fogo em si próprio e nas crianças, para as quais costumava dar picolés de presente em dias de festa, como os que estavam ocorrendo nesta semana.

Na creche, Heley e Damião tinham relacionamento profissional considerado normal, assim como com qualquer outro funcionário. No momento do fogo, contudo, a professora entrou em luta corporal com o vigia, numa batalha arriscada pela vida das crianças.

"Desde novinha ela era interessada pelas atividades da escola. Quando tinha gincana, entrava na disputa para valer, não queria saber de perder, não. Ela ia atrás do que tinha de providenciar e conseguia. É uma pessoa que vai fazer muita falta na minha vida", afirmou.

A dona de casa Dilzane Rodrigues, 40, amiga de infância da professora, observa que a Heley sempre teve um lado "guerreiro" que a fazia superar as dificuldades da vida: "Um exemplo foi quando ela perdeu o filho de 4 anos, que, por acidente, morreu afogado na piscina de um clube da cidade. Isso já tem 16 anos", lembrou a amiga.

A tragédia familiar de Herley, casada há 23 anos com Luís Carlos Batista, não demorou muito para ser superada. Logo ela teria duas meninas, que hoje têm 15 anos e 12 anos. Há um ano e três meses, nasceu sua filha mais nova.




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Player Pop Up
RCI FM 98 Peça Sua Música



Promoçoes 98,5
(83) 9.8793-3341

Hora Certa
No Ar
Pro. Evangèlicos com Prog. Evangélicos
Enquete
QUE TIME PERNAMBUCANO VOCÊ ACREDITA QUE VAI SER REBAIXADO?

 NAÚTICO
 SANTA-CRUZ
 NENHUM

Publicidade Lateral
Clima Tempo
Estatísticas
Visitas: 70747 Usuários Online: 61


Parceiros





RCI FM 98,5
Copyright (c) 2017 - RCI FM 98 - Todos os direitos reservados